O CASO DO MENINO HENRY BOREL E OS VALORES BURGUESES ACIMA DE SUA VIDA

O menino Henry Borel sofreu tantas ações violentas contra seu corpinho de apenas quatro anos que não aguentou mais ser socorrido por médicos – chegou morto ao hospital, melhor dizendo: foi levado já morto ao hospital, nos braços de sua mãe, Monique Medeiros da Costa e Silva acompanhada de seu parceiro, um médico e vereador do Rio de Janeiro, Jairo Souza Santos Júnior, conhecido por dr. Jairinho. Não houve dúvidas para a polícia que o menino foi assassinado, restando esclarecer o grau de responsabilidade de cada um dos dois na sua morte.

Falsos depoimentos, mentiras, tentativas de atrapalhar a investigação, tudo isso foi apelado para contradizer a verdade sobre o que realmente eles fizeram com Henry na noite do 7 para o 8 de março deste ano. Segundo li, o dr. Jairinho, usando de seus poderes de político por meio de gente influente, depressa tentou liberar o corpo do menino do hospital na Barra da Tijuca, sem que o cadáver fosse levado ao IML – Instituto de Medicina Legal – para exame e emissão do atestado de óbito de Henry com causa de morte definida. Achava o vereador que o caso iria ficar por isso mesmo? – Grande estupidez sua. Monique pediu falsos testemunhos da babá e da empregada para reafirmar a tese de acidente dos dois na causa da morte do filho e encobrir seu conhecimento dos maus-tratos que recebia o menino do padrasto. Por quê? Para quê? Para que, como um acidente, tudo voltasse ao normal mesmo com Henry morto? Para enfim poder viver a vida de luxo oferecida pelo parceiro sem o incômodo do filho? Ou porque sua escolha de ir viver com o dr. Jairinho foi prioritária, e fazer vista grossa para o terror que havia em casa foi a melhor forma de manter o que tinha alcançado vivendo com um político num condomínio de alto padrão da Barra da Tijuca? O dr. Jairinho é tido como psicopata e como o único agente da violência física causadora da morte de Henry, contudo Monique não fica livre de participação do homicídio, mesmo que ela tenha tomado soníferos sem saber ou por vontade na noite do ocorrido, ela consentiu de certa forma consciente que seu filho fosse vítima de uma barbárie.

Quem é Monique? Quem é essa mulher de Bangu, no Rio de Janeiro, professora, diretora de uma escola, ex-mulher de Leniel Borel, com um filho pequeno, e que em poucos meses faz uma mudança radical em sua vida: separando-se do marido, começando a viver com outro homem, o dr. Jairinho, num bairro de classe média alta e até aumentando seu ordenado por passar a trabalhar no tribunal de contas do município? Ter mais e mais sempre foi seu fraco; sua ganância era clara para seu ex-marido: „Imagino que o que a gente tinha não era bom para ela. A Monique queria muito mais e eu dei carro, dei cartão de crédito. Dei tanta coisa para Monique nessa vida.“ Também seu narcisismo é mostrado nas fotos, nos selfies, „ela sempre aparece na frente, Henry atrás. Eu sempre estava em último plano. Em dez anos de casamento era ela sempre na frente e todo o resto para trás“, disse Leniel Borel. O selfie que ela fez na delegacia no dia do seu primeiro depoimento, exibindo – como a Monalisa – um leve sorriso de satisfação ao ver-se na câmara do celular ojerizou-me, foi a revelação de uma pessoa superficial e centrada não mais que em suas próprias prioridades. Assim como sua ida a um cabeleireiro no dia seguinte ao sepultamento de Henry, sua obsessão por roupas, sua posta em cena me irritaram, nos irritaram a todos nós sabendo que sua concentração narcisista a impedia de defender seu filho, de sentir por ele. É que a falha trágica de Monique foi esse enorme narcisismo carregado de valores burgueses decadentes; e a sua culpa foi ter consentido indiretamente o parceiro cobrar o conforto que lhe dava – pois nada foi de graça e por amor – com agressões físicas no menino, e isto já tinha sido constatado antes de sua morte pela babá e pelo próprio Henry que chorava, não queria viver na casa da mãe e do „tio“, falava que a cabeça lhe doía e das rasteiras que recebia. Havia um clima de violência na casa, mas até ela ser desmascarada e acusada, já foi tarde demais, pois Henry já estava morto.

Henry, segundo o que pude apurar, era um garoto sensível, muito apegado à mãe. Transtornado e nervoso – acho eu – ficou com a mudança do lar, com o novo estilo de vida, a presença de um outro homem na vida de sua mãe, uma nova escola, diversas atividades e as idas e vindas para ficar com o pai. Monique não pôde avaliar isso, como não pôde proteger o menino, ou pelo menos acreditar nele quando contava que o „tio“ o machucava. Do seu laudo de óbito foram constatadas 23 lesões, sendo a laceração do fígado e a hemorragia interna de força incisiva, penetrante. O algoz, como médico, sabia bem onde estava pisando, chutando, dilacerando.

Não posso esquecer o Henry; todos os dias reviso notícias, procuro saber como anda o caso tendo a mãe e seu parceiro acusados de sua morte, mas no fundo há muito mais gente indiretamente responsável, que com suas intervenções precisas e de antemão poderiam ter evitado a tragédia. Aqui incluo o pai, os avós, a empregada temerosa, a irmã do acusado, que o conhece tão bem. Sem embargo, para isso, seria preciso ter coragem, uma coragem ética que abarcasse o valor da vida da criança e fosse além das relações familiares, dos mitos religiosos, da indiferença de todos, porque por trás das aparências todos sabiam que o menino Henry estava sofrendo, e só a babá comunicou isso à mãe e à avó materna, o que ainda não foi suficiente e levado como „mentiras“ de criança, só que criança nessa idade não mente.

Espero que o dr. Jairinho e a Monique assumam o mal que fizeram ao Henry levando-o a perder sua vida tão cedo. Mas não é que eu esteja esperando demais de um psicopata já declarado e de uma mãe extremamente narcisista?

Próximo artigo: 25/5/2021

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.