„OLHA GENTE, SONHAR É DE GRAÇA“

   

Era uma vez uma influenciadora digital chamada Ygona Moura que contava com mais de 170 mil seguidores nas redes sociais, entre positivos, assim como o contrário – também de perseguidores nefastos. Não sei nada sobre seu nascimento, seu verdadeiro nome, sua infância e escolaridade, mas sei que cerca dos vinte anos deu-se conta de que como travesti se sentia melhor. Sua morte repentina e prematura me comoveu, e deu-me conta de quanto teria gostado de entrevistá-la numa conversa aberta e franca.

É verdade que todos nós temos nossos talentos, mas só poucos são capazes de usá-los para influir milhares de pessoas como Ygona fez na internet, e mesmo tornando-se a rainha dos memes, a mamãe Ygona, a travesti de longas perucas coloridas, com lentes de contato esverdeadas e maquiagem pesada, não era ela nenhuma modelo da Heide Klum, pelo contrário seus 100 quilos de peso foram comemorados num ambiente cintilante de princesa, com balões dourados e bolo de calórica cobertura cor de rosa, o que reitera o que já tinha afirmado: „Não nasci para ser adulto“.

Ah, esses corpos! Corpos grotescos, balofos, barrigas penduradas nos coses das saias, traseiros enormes que se mexem eroticamente rítmicos para frente e para trás. Corpos que emanam gordofobia em muitos, mas também corpos estuprados, ou que se vendem por algo e que não querem só dar prazer, mas também tê-lo. Corpos que atravessam as emergências do dia a dia, saturados de vivências e, que, feitos pelo que dizem deles, significam pelas suas práticas. Ygona Moura usou seu corpo como demonstração de sua identidade e para confirmar suas preferências sexuais, travestiu-se daquilo que não lhe foi assinado – o sexo feminino – o exagero de sua aparência correspondeu a seus desejos de cobrar o prazer, mas não só isso, descobriu que podia aparecer como ela mesma, postando fotos, gravando memes e vídeos .

Numa entrevista de Youtube com a famosa cantora e conhecida na web, Inês Brasil, falou de seu início na mídia; ela ficou conhecida por ataques de gordofobia – „é inveja“, assinalou Inês Brasil – mas Ygona seguiu sem ligar para as críticas, sempre „batia de frente“, até que verificou que também havia aceitação: sua resistência e insistência em prosseguir lhe garantiu mais e mais seguidores – Ygona estava fascinada. Quando o número de impressões superou o de um milhão, não entendeu o que aquilo significava – seria o total de seguidores? Não. Ela deixou-se esclarecer, o que contava eram as mensagens positivas que ela recebia: „Muita gente aprendeu a se amar mais, a se aceitar mais“, quando começou a acompanhá-la na internet. Isto foi o positivo de suas incursões como influenciadora; seus deboches frente ao perigo de contaminação com o vírus da covid-19 não devem ser apagados em nome de deixar intacta sua memória, nem justificá-los com a sua morte como dívida pagada. Ygona Moura também vai ser sempre lembrada pela sua libertinagem, sem que seja, porém esquecido o que a conduziu a isso. Como sobreviver em meio às restrições impostas pelas medidas sanitárias como prevenção de infecção pelo coronavírus? Os que dependem da rua e de clientela que o digam. Esses corpos, cuja existência é minimizada, cobram vida; e se aglomerações não são recomendadas, ao mesmo tempo que a proibição delas nunca foi meta do governo federal de Jair Bolsonaro, pelo contrário; esses corpos estão desprotegidos e descaminhados.

Não acho que essas festas referidas por Ygona sejam só pelo prazer gratuito de diversão. Não. Acho que nelas bases de subsistências são expostas aos negócios, não importando o risco. No seu vídeo após ter pernoitado numa dessas festas, disse Ygona que aglomerou mesmo, e movendo os dedos para simbolizar dinheiro, acrescentou: „e ganhei bem pra isso“. Não sei o que ela empreendeu na festa para ter sido paga, nem ninguém perguntou por isso, mas já era sabido de suas dificuldades financeiras e com seu irmão que, segundo um vídeo desesperado, conta ela, tentou matá-la, ficando Ygona sem ter para onde ir. Pessoas como Ygona, desempregadas, evitadas no mercado de trabalho, têm muito pouca chance de manter-se por si mesmas, assim todo tipo de favor prestado pode ser fonte de um dinheirinho. O corpo não só é fonte de capital, mas também centro de produção sexual, enquanto é dado a ser visto, desejado, invejado, ou até repelido. Espero que seus seguidores fiéis, os que se entretiveram-se e aprenderam com ela, tenham feito alguma merecida doação pelos seus vídeos – um arquivo de inúmeras horas de exibição, onde ela expõe seu corpo, sua vida, seus memes e suas emoções nas plataformas das redes sociais. E observando alguns deles, dei-me conta da precariedade do ambiente onde vivia, das paredes frágeis e da composição básica dos elementos presentes. Ygona não encobriu sua pobreza.

A permissão da própria privacidade ao público como produto de consumo sempre me chocou, mas para Ygona isso era como rotina de trabalho, pois quem elege uma ou mais redes sociais como plataforma para autopromover-se, tem que ter tempo para a labor, estar disponível e ativo para entrar em ação. Vi uma aparição de Ygona no banheiro – parecia mais que o que tinha a dizer era mais importante que o lugar onde estava – tomando banho, a água do chuveiro escorrendo atrás de seus ombros e o peito quase todo à mostra. Pedi a Deus que a câmara do celular não mostrasse mais que isso – Ygona apenas escovou os dentes a seguir. Ela se dava a esse luxo de jogar com o não convencional e encontrar seu lugar na mídia, adorava aparecer e afirmar-se como travesti – pelo menos não percebi em seus vídeos o descontento e o desejo de mudar materialmente de sexo – e esse passo era sua vez de dizer, sem vergonha, que queria um macho, „ou um amigo“.

Não constatei um olhar maldoso, nem sarcástico em Ygona – que também devem ter ocorrido – mas bem a necessidade de afirmar-se, – como diva? – de exibir uma beleza, sua beleza travesti, de poder superar-se, mas também sensível e grato a todos que a seguiam e ajudaram-na com vaquinhas para compra de um celular ou arranjar uma moradia. Isso mostra o quanto Ygona era carente, e a chance de participar na mídia, fazer-se conhecida, ganhar um nome era muito importante para ela. Por outro lado que mais poderia esperar, como negra, obesa, travesti, num país de grandes desigualdades sociais e racista como o Brasil? Ela também conheceu o lado cruel das redes sociais, sofreu com as fake news sobre sua vida, mas sobretudo Ygona continuava, tinha paciência, sonhava. Eu imagino que ela sonhava em alcançar o que a tornasse uma influenciadora de milhões, uma travesti adorada e tão independente economicamente que pudesse comprar um apartamento de luxo. Na sua viagem ao Rio de Janeiro em dezembro de 2020, Ygona olhou para edifícios de apartamentos numa zona nobre da Barra da Tijuca, e perguntou-se: „Será que um dia vou ter um desse?“ „Podia ser aquele, ou aquele outro, ou aquele outro“. „Olha gente, sonhar é de graça“. Ygona Moura faleceu no dia 27 de janeiro de 2021 por consequência da covid 19. Ela tinha 22 anos.